Documentos:
» Pesquisar
Date Picker
» História

Informação Sumária

 

Padroeira: Santa Maria/Senhora do Perpétuo Socorro.

Habitantes: 932 habitantes (I.N.E.2011) e 1.006 eleitores em 05-06-2011.

Actividades económicas: Agricultura, comércio e pequena indústria.

Feira:  Feira de Gado (anual a 15 de Agosto).

Festas e romarias: Santíssimo Sacramento(15 de Agosto) e Senhora do Socorro (1º domingo de Fevereiro).

Património cultural e edificado: Igreja Paroquial, Casas da Prova, de Casal velho, e das Cortinhas e Quinta Campos Lima.

Colectividade: Rancho da Associação Recreativa e Cultural de Paçô.

 


Aspectos Geográficos

 

A Freguesia de Paçô, se consideramos a Igreja Paroquial, dista cerca de 2 Km da vila de Arcos de Valdevez, a sede o concelho a que pertence, mas na verdade a sua área territorial já se confunde com a vila arcoense.Assim como em relação à vila de Ponte da Barca, também a proximidade se revela afastada apenas pela distancia que é ocupado pelo rio Lima. Ou seja,  os cerca de 436 ha de área da Freguesia de Paçô, estão delimitados pelo rio Lima, a Sul, tendo a Freguesia de Ponte da Barca e de Vila Nova de Muia, do concelho barquense, na outra margem, a esquerda deste rio. A Poente, pelo rio Vez, tendo a Freguesia de Santar e a Freguesia de Souto na outra margem, a direita deste rio. A Nascente,  pela Freguesia de Oliveira. A Norte, pela Freguesia de Arcos de Valdevez - S.Paio.

O desaguar do rio Vez, no rio Lima, acontece, entre esta Freguesia e a Freguesia de Souto. Este facto está patente, no que a Paçô diz respeito, no brasão de Paçô através de um perle de prata, que se representa com uma espécie de Y.

 

Resenha Histórica

 

Acerca da história desta freguesia, no livro " Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo", podemos ler a seguinte resenha: « A primeira referência conhecia a esta igreja data de 1125.

Em 1258, na lista das igrejas situadas no território de Entre Lima e Minho, elaborada por ocasião das Inquirições de D. Afonso III, é citada como uma das igrejas pertencentes ao bispado de Tui.

Em 1320, no catálogo das mesmas igrejas, mandado organizar pelo rei D. Dinis, para o pagamento da taxa, esta igreja foi taxada em 100 libras.

Em 1444, a comarca eclesiástica de Valença foi desmembrada do bispado de Tui, passando a pertencer ao  de Ceuta até 1512. Neste ano o arcebispo de Braga, D. Diogo de Sousa, deu a D. Henrique, bispo de Ceuta, a comarca de Olivença, recebendo em troca a de Valença do Minho. Em 1513, o papa Leão X aprovou a permuta.

Com a incorporação da comarca de Valença no arcebispado de braga, em 1514,  procedeu-se à avaliação dos benefícios eclesiásticos que a compunham. Paçô rendia 39 réis, 1 libra de cera e 50 alqueires de pão terçado.

Na avaliação efectuada 1546, sendo arcebispo D.Manuel de Sousa, esta igreja, juntamente com as de São Lourenço de Cabrão e São João de Parada, era anexa ao mosteiro de àzere, sobra a vigairaria confirmada de Santa Maria de Paçô não se chegou a apurar o estipêndio.

Na  cópia de 1580 do Censual  de D. Frei Baltasar Limpo, Paçô era anexa ao  mosteiro  de Ázere, sendo da apresentação do seu reitor.»

Novos autarcas...
2013-11-27 15:37:00 Em virtude das recentes eleições e da agregação de freguesias...
Paisagens e Lazer...
2011-03-02 10:54:00 Detentora de belas paisagens naturais...
Tempo Viana do Castelo